Luz sobre as “Novas Luzes” (1): As Autoridades Superiores e a Sujeição Relativa ®

Luz sobre as “Novas Luzes” (1): As Autoridades Superiores e a Sujeição Relativa ®

24 de julho de 2021 Luz sobre as "Novas Luzes" 0

Ocasionalmente, as explicações dadas pela organização visível de Jeová têm indicado ajustes que aparente-mente voltam a pontos de vista anteriores. MAS, NA REALIDADE, NÃO TEM SIDO ASSIM. (S.1/8/82, p. 27,§2).

         Por meio deste artigo inicio uma nova série para este Blog no qual a ideia será, como já sugere o título, “lançar luz” sobre os ensinos do CG que receberam “novas luzes”, isso é, a cada artigo vou escolher um ou mais ensinos cuja “a verdade, aquilo que a Bíblia realmente ensina” sobre tal(is) ensino(s) mudou ao longo do tempo, a fim de saber como, no que e porque mudou e o que o CG afirma sobre tal(is) mudança(s) quando trata dela(s).

Um dos objetivos desta nova série será demonstrar que a Sentinela,  citada acima, mente ao afirmar que

na realidade, não tem sido assim”!

1 – Para introduzir a análise dos dois temas que irei propor nesta postagem, proponho que o(a) leitor(a) siga o roteiro constante de uma Sentinela a fim de responder duas questões:

A – Os cristãos devem alguma obediência os governos humanos?

B – Se a resposta a “A” for afirmativa, há limites para tal obediência?

A Sentinela afirma:

5 Paulo escreveu “a todos os amados de Deus, que estais em Roma, chamados para serdes santos”, e escreveu, portanto, em benefício da congregação cristã. (Rom. 1:7, ALA) Mas nem todas as coisas que ele considerou nesta são coisas de dentro da congregação. A pergunta capital hoje é: São as coisas, sobre as quais Paulo escreveu em Romanos, capítulo treze, versículos 1 a 7, de dentro ou de fora da congregação? Por exemplo, os versículos que precedem o capítulo treze nos ajudarão a determinar isto. (…) Portanto, a fim de obtermos o contexto introdutório, leiamos, sem interrupção, aquilo que constituí hoje o capítulo 12:17 até capítulo 13:7, como segue: …

         A bem da verdade, para responder à “pergunta capital” e à pergunta “A” acima basta a leitura dos versos 1 a 7 de Rm. 13 mas, o(a) leitor(a) pode ficar à vontade para ler, diretamente na Bíblia, a partir do capítulo 12 verso 17.

         Abaixo transcrevo os versos 1 a 7 do capítulo 13 e peço que ao fazer a leitura procure perceber se as “autoridades superiores” (citada logo no verso 1) são uma referência a autoridades humanas ou não humanas e se o texto apresenta alguma dificuldade nesta determinação, se ele é dúbio e obscuro quanto a isso (os sublinhados e negritos foram acrescidos a fim de ajudar nesta determinação):

13 Todos estejam sujeitos às autoridades superiores, pois não há autoridade sem a permissão de Deus; as autoridades existentes foram colocadas por Deus em suas posições relativas. 2 Portanto, quem toma posição contra a autoridade toma posição contra a ordem estabelecida por Deus; os que tomam posição contra ela trarão condenação sobre si mesmos. 3 Pois os governantes não são temidos por aqueles que praticam boas ações, mas por aqueles que praticam más ações. Você quer ficar livre do medo da autoridade? Faça sempre o bem, e receberá louvor dela; 4 pois ela é serva de Deus para você, para o seu bem. Mas, se você faz o que é mau, tenha medo, porque não é sem motivo que a autoridade traz a espada. Ela está a serviço de Deus, para executar vingança e expressar ira contra quem pratica o que é mau. 5 Portanto, é necessário que vocês estejam em sujeição, não somente por causa dessa ira, mas também por causa da sua consciência. 6 É por isso também que vocês pagam impostos; porque eles estão a serviço de Deus e prestam esse serviço constantemente. 7 Deem a todos o que lhes é devido: a quem exigir imposto, o imposto; a quem exigir tributo, o tributo; a quem exigir temor, tal temor; a quem exigir honra, tal honra.

         Teve alguma dificuldade em determinar se as “autoridades superiores” do verso 1 são humanas ou sobre humanas?

         Creio que mesmo um ateu, que saiba minimamente interpretar um texto, não teria dificuldade alguma com isso, concorda?

         A Sentinela, no qual se encontra o roteiro e a “pergunta capital”, também deixa claro o que o texto está se referindo aos governos humanos, nos seguintes termos:

7 (…) Logo depois, Paulo passou a considerar as “autoridades superiores”, de modo que estava com os olhos fixos, não no que estava dentro da congregação, mas fora dela. Portanto, as “autoridades superiores” situam-se LOGICAMENTE no mundo, fora da congregação. Certamente, não podemos fechar os olhos ao fato de que há autoridades fora da congregação cristã. (S. 15/6/63, p. 326)

         Como se vê, basta ler o texto para se concluir, com toda LÓGICA, que as “autoridades superiores” são os governantes humanos (de fora da congregação), não há nada no texto que sugira que tais autoridades são

Jesus e Jeová, concorda?

          Assim, respondendo tanto à “pergunta capital” como à pergunta “A” que propus, a resposta é SIM, os cristãos devem obediência a governos humanos, a autoridades que estão fora da congregação cristã.

          Agora, vamos à pergunta “B” que propus:

Esta obediência tem limites?

         O verso 1 de Rm. 13 já indica que “sim” é a resposta, quando afirma que as “autoridades superiores” são colocadas por Deus em suas “posições relativas”, o que evidencia que a posição de autoridade que ocupam não é absoluta, nem entre eles e muito menos em relação a Deus.

          Lendo os 7 versos iniciais do capítulo 13 de Romanos em associação (entre outros) com Atos 5:27 a 29, é fácil perceber que a Bíblia estabelece um Princípio como resposta à pergunta “B” que fiz. Notem:

27 Assim, eles os trouxeram e os puseram diante do Sinédrio. E o sumo sacerdote os interrogou 28 e disse: “Nós lhes demos ordens expressas para que não ensinassem nesse nome, mas, vejam só! Vocês encheram Jerusalém com os seus ensinamentos, e estão decididos a trazer o sangue desse homem sobre nós.” 29 Pedro e os outros apóstolos responderam: “Temos de obedecer a Deus como governante em vez de a homens.

          Será que os textos se contradizem (Romanos afirma que deve haver submissão a governos humanos e Atos nega isso)?

“Salta aos olhos” que Pedro não afirmou que eles estavam deixando de obedecer à ordem de não pregar sobre Jesus porque não reconheciam e, portanto, não obedeciam a nenhum governante humano.

         A questão era: quando a ordem do governo humano conflita com uma ordem superior (de Deus) o cristão obedece à ordem superior e neste caso foi exatamente isso o que ocorreu, afinal, Pedro e os demais discípulos ouviram de Jesus:

Ide por todo o mundo e pregai o

 evangelho a toda a criatura (Mc. 16:15)

Assim, o que a Bíblia ensina (e sempre ensinou) sobre isso é o princípio da “Sujeição Relativa”:

Os cristãos devem obedecer a todas as ordens dos governos humanos que não conflitem com os mandamentos de Deus, pois, diante do conflito, importa obedecer antes a Deus do que aos homens.

Obs.: É verdade que o entendimento de quando há e quando não há conflito entre a ordem humana e a divina é interpretativa, pode gerar controvérsias, mas, isso em nada muda o Princípio da – Sujeição Relativa.

          Pela importância, repito: é isso o que a Bíblia ensina e é isso o que ela sempre ensinou e para entender isso não é necessário “luz’, “nova luz” e “outra luz” é necessário apenas saber ler e, razoavelmente, interpretar a ideia contida em dois textos bíblicos que se complementam, nada além disso!

Sobre isso, vale chamar a atenção para a seguinte afirmação do CG:

Assim, a Bíblia é um livro de organização e pertence à congregação cristã como organização, não a indivíduos, não importa quão sinceramente creiam poder interpretar a Bíblia. Por esta razão, a Bíblia não pode ser devidamente entendida sem se ter presente a organização visível de Jeová. (S. 1/6/68, p.327, §9)

          Não vou, como já fiz várias vezes neste Blog, transcrever e argumentar sobre textos como II Tm. 3:16 e Sl. 119:105 (que desmentem a afirmação acima), vou apenas destacar a ideia central para vermos se ela se sustenta. Então, segundo a Sentinela acima:

somente a “organização visível de Jeová”

entende a Bíblia devidamente (corretamente).

Será?

         Vejamos se tal alegação é confirmada ou negada nestas questões (coligadas) das “autoridades superiores” e da “sujeição relativa” na literatura da Organização TJ ao longo da história da Organização.

2 – No período no qual o “escravo fiel e prudente” era, na prática, C.T. Russell (algo que o mesmo admitia – conforme revela a Sentinela de 16/10/1916) os “Estudantes da Bíblia” tinham a correta visão bíblica sobre as “autoridades superiores” e sobre a “sujeição relativa” devida a elas, conforme, por exemplo, se vê no Vol. I dos Estudos das Escrituras (O Plano Divino das Eras), no qual se lê:

Por saberem que o Reino de Deus viria no futuro, nem Jesus nem os Apóstolos interferiram nos governos terrenos. Pelo contrário, eles instruíram a Igreja a se submeter a tais autoridades humanas, embora muitas vezes sofressem com seus abusos. Os seguidores de Jesus são ensinados a obedecerem às leis locais, desde que elas não entrem em conflito com as leis de Deus. (Atos 4:19; 5:29) Eles pagam seus impostos e são cumpridores da lei. (Mateus 22:21)

Semi confirmando isso, afirma a Sentinela de 1/8/82 p. 29 afirma:

Os primitivos Estudantes da Bíblia entendiam corretamente que as “potestades superiores” ou “autoridades superiores” eram os governantes deste mundo.

          Como visto na investigação inicial que propus, não há nada de especial neste conhecimento, afinal,  Rom.13:1 a 7 não deixa qualquer dúvida de que as “autoridades superiores” são os governos humanos.

         Ocorre que uma “nova luz brilhou” (conforme afirmam as TJ com base em Pv. 4:18) sobre este tema, sendo que tal “nova luz”, como sempre ocorre, foi enviada por Jeová (via Jesus), como nos garante a seguinte Sentinela:

E ao passo que a luz brilha cada vez mais, quão animador e satisfatório se torna o caminho! É como Pedro o expressou, quando alguns dos discípulos tropeçaram por causa do ensino de Jesus: “Senhor, para quem havemos de ir? Tu tens declarações de vida eterna.” (João 6:68) O Senhor Jesus Cristo ainda tem essas “declarações”, e ELE AS TRANSMITE por intermédio da única organização do “escravo fiel e discreto” que ele usa hoje na terra. (1/8/82 p. 29, §12)

          Até onde saiba, a “nova luz” sobre o tema brilhou (foi divulgada) pela primeira vez na Sentinela de 1/6/1929 pp.163 a 169 e um dos principais argumentos usados para “provar” que Rm. 13:1 se refere, na “verdade” a Jeová e Jesus (e não aos governos humanos) é o fato de que se a autoridade de cada governo humano fosse dada por Deus, não existiriam leis diversas em cada país e tais leis não confrontariam com a lei de Jeová. Notem a argumentação:

5 (…)Durante muitos séculos, os governantes e as nações chamadas nações cristãs têm insistido que Deus lhes delegou poder de governar, e usaram isso para fazer com que as pessoas lhes prestem grande respeito e homenagem. Deixe este argumento seguir para sua lógica conclusão, e onde é que nos encontraremos?

Nos Estados Unidos, é ilegal um cidadão ser encontrado na posse ou transportando licor inebriante. No Canadá, Inglaterra, Alemanha e outros países, que também afirmam ser cristãos, não é ilegal ser encontrado na posse de ou transportando bebidas inebriantes. Deus delegou poder ou autoridade diferente para essas diferentes nações?

(…) Nos Estados Unidos, em tempos de paz nenhum cidadão pode, por lei, ser obrigado a prestar serviços militares. Na Itália e em outros países chamados cristãos, mesmo em tempos de paz, todos os cidadãos estão sujeitos ao serviço nas forças armadas, e recusando-se a prestar tal serviço ficam sujeitos a punições severas. Qual das nações está fazendo e aplicando a lei militar em harmonia com a lei de Deus, visto que suas leis são diferentes?

6 Nos Estados Unidos, em tempo de guerra, uma lei é feita para obrigar pessoas dentro de um certo limite de idade a se envolverem no serviço militar. A lei de Deus é diferente em momentos diferentes e em países diferentes? A escritura responde: “Deus não muda.” (Ml. 3: 6) Neces-sariamente, Deus deve ser, e sempre é, coerente. (p. 163/164)

Hoje as TJ rejeitam que a argumentação acima prove aquilo que ela foi escrita para provar, afinal, voltaram a crer como criam os “Estudantes da Bíblia”, conforme se vê, nesta data, na mais recente menção de uma Sentinela sobre o tema:

7 Um crime contra as autoridades do governo.  Os cristãos devem ‘estar sujeitos às autoridades superiores’. (Rom. 13:1) Nós mostramos que estamos sujeitos quando respeitamos as leis do país. (S. 5/2019 p. 9,§7)

          Notem que interessante quando se aplica a lógica usada na Sentinela de 1929 ao próprio ensino que ela estava alterando:

         Se Deus é um só e não muda, então, ele não daria leis diferentes e conflitantes (tanto entre si quanto em relação às leis do próprio Jeová) aos governos humanos que ele mesmo institui, mas, como isso ocorre, fica provado que as “autoridades superiores” mencionadas em Romanos, não podem ser governos humanos, pois, a divergência de leis que criam os desqualifica da posição de “autoridades superiores”, assim, Rm. 13:1 só pode estar se referindo ao próprio Jeová e a Jesus.

         Da mesma forma, se Jeová tem uma única Organização na terra, Jeová deu a esta Organização sua única e mesma lei (a Bíblia) e os guia na interpretação correta dela, Jeová não dá a tal organização orientações conflitantes e/ou incorretas, afinal, se isso não pode ocorrer entre inúmeras “autoridades superiores” que existem no mundo, quanto mais não pode ocorrer em uma só e única religião verdadeira, até porque, isso negaria que tratasse de uma – religião verdadeira –, afinal, uma das marcas registradas da “única religião verdadeira” é ensinar a verdade, apenas a verdade! É o que nos ensina a seguintes Sentinelas:

Como Escolher a Religião Certa

O que nos guiará na escolha da religião certa? A  Encyclopædia Universalis está correta ao salientar a importância da verdade. A religião que ensina mentiras não pode ser verdadeira. (1/12/91, p.7)

Assim, a prova é relativamente fácil de ser feita. Se certa religião não estiver de acordo com o que a Bíblia ensina, então não está em harmonia com a verdade. Não é a verdadeira religião. (Rom. 3:4) (1/1/69, p.5)

A religião verdadeira ensina a verdade da Palavra de Deus, a Bíblia. (João 4:24; 17:17) (Despertai 7/2014, p.15)

         Se as Sentinelas e a Despertai acima estiverem corretas, temos um problema aqui, afinal, a argumentação da Sentinela de 1929 foi usada, exatamente, como base para se passar do entendimento correto para o incorreto, para negar algo que a Bíblia ensina logicamente (segundo se crê hoje).

          Diante disso seria necessário entender porque a lógica que desqualifica (ou pelo menos desqualificou por um longo período) as “autoridades superiores” como sendo os governos humanos não desqualifica o CG! Vou repetir tal lógica abaixo, adaptando-a ao CG:

A orientação que Deus dá ao CG é diferente em momentos diferentes? A escritura responde: “Deus não muda.” (Ml. 3:6) Necessariamente, Deus deve ser, e sempre é, coerente.

O Jeová que dirige o CG não é

 coerente, isso é um fato!

         A “incoerência do Jeová TJ”, em relação aos entendimentos que Ele já transmitiu a sua única Organização, com respeito de Rm. 13:1, ganha tons dramáticos quando tomamos conhecimento da razão pela qual os Estudantes da Bíblia tinham um entendimento incorreto sobre Rm. 13:1. Notem:

Jeová, pelo seu profeta, fala de uma “estrada”, chamada “o caminho santo”, pela qual devem andar os purificados do Senhor. (Isaías 35 : 8-10) Antes da vinda do Senhor ao templo em 1918, os fiéis eram obrigados a misturar-se com a organização de Satanaz e acreditavam que os governadores dêste mundo mau constituiam as “autoridades superiores“. (Romanos 13 : 1) Lv. Salvação Ed.1939 (em português)  p. 184-185

         Então, os Estudantes da Bíblia acreditavam que Rm.13:1 se referia a governos humanos (como voltaram a crer as TJ hoje) porque estavam em meio à:

ORGANIZAÇÃO DE SATANÁS!?

          Confirmando o livro Salvação um outro livro, editado 20 anos depois (1959) com o título: “Testemunhas de Jeová no Proposito Divino” (um livro que segue a mesma linha do “Testemunhas de Jeová, Proclamadores do Reino de Deus”, na medida em que também se propõem a contar a história da Organização), afirma:

Quando a Sociedade começou a ser liberada para mais trabalho de pregação após Primeira Guerra Mundial, eles logo perceberam que tinham sido mantidos em cativeiro espiritual de muitas maneiras. Havia muitas falsas doutrinas e práticas que ainda não haviam sido limpas da organização. Nem todos elas foram reconhecidas de uma vez, mas gradualmente ao longo dos anos que se seguiram, tornou-se evidente em que medida os irmãos tinham estado em Cativeiro babilônico naquela época. Com considerável incompreensão eles aceitavam governos políticos terrestres como as “autoridades superiores” que Deus tinha ordenado de acordo com Romanos 13: 1; e como como resultado, as Testemunhas de Jeová foram detidas em medo do homem, particularmente dos governantes civis.(p. 91)

         Se as TJ tem razão quando afirmam que é Jeová quem (por meio de Jesus) envia “novas luzes” ao CG e hoje as TJ voltaram a crer igual àqueles que estavam em “cativeiro babilônico”, igual àqueles cristãos que precisavam ser limpos de ensinos errôneos,  se faz necessário perguntar de novo:

ONDE ESTÁ A COERÊNCIA DE JEOVÁ,

DO DEUS QUE NÃO MUDA?

3 – Vejamos agora a “terceira nova luz” sobre o tema, que irá resgatar a “primeira luz” (aquela que se tinham quando se estava envolvido com a Organização de Satanás e presos no “cativeiro babilônico) como sendo a verdade!

          Antes disso, vou trazer o que afirmou a última Sentinela a defender a “luz presente” antes da mudança, isso é, a última vez que “Jeová confirmou” via Sentinela (1/9/61 p. 526, §11) que Rm. 13:1 se refere a Ele e a Jesus.

11 A história mostra que, por volta de 1918, esta pequena congregação de homens e mulheres tinha sido grandemente dilacerada pela dura perseguição durante a Primeira Guerra Mundial. Mas, em 1919, começaram a ser reorganizados e restabelecidos à “terra” ou condição do favor de Deus, e começaram a sentir o cumprimento das profecias de Ageu, de Isaías e de muitos outros. (…) Até aquele tempo, o entendimento dos servos de Jeová tinha sido purificado de muitas idéias incorretas quanto a doutrinas e sua relação com Jeová e Cristo Jesus, como autoridades superiores. Este grupo ganhou uma identidade mais clara ao obter o nome de testemunhas de Jeová, indicando os muitos que comporiam a única classe serva ou congregação de Jeová na terra. — Isa. 43:10-12.

         Como se vê, a ideia vigente se repetia em todos os sentidos, os Estudantes da Bíblia estiveram contaminados por falsos ensinos mas, após 1919, por exemplo, entendimentos impuros como aquele que identificava às “autoridades superiores” como sendo governantes humanos, já havia sido purificado (com Jeová lhes ensinando o erro)!

         Porém, na próxima Sentinela que tratou do tema, aproximadamente um ano e 3 meses depois (em 1/1/63), se relatou aquilo que foi ensinado às TJ em uma Assembleia de Distrito denominada de “Ministros Corajosos”, foi em tal Assembleia que Jeová voltou a ensinar que as “autoridades superiores” não eram Ele e Jesus, mas sim, que eram os governantes humanos, voltando assim ao entendimento impuro e influenciado pela Organização de Satanás! Vejamos em que termos isso foi feito:

SUJEIÇÃO E O VERBO

Mas quem dentre os congressistas esquecerá os discursos sobre a “Sujeição” e “O Verbo”, nem se mencionando o poderoso e oportuno discurso público? Estes foram os pontos predominantes destas assembléias! Os congressistas, com a Bíblia diante deles, seguiram ponto por ponto, com intenso interesse, ao passo que cada orador explicava mediante as Escrituras quem são as “autoridades superiores” mencionadas em Romanos 13:1, e de que modo os cristãos se sujeitara a elas.

         Este menção já nos diz que no referido Congresso “brilhou a nova luz”, afinal, ao terminar o trecho acima com “de que modo os cristãos devem se sujeitar a elas”, se está falando dos governos humanos.

          Neste mesmo ano, em abril, se voltou a tratar do tema, porém, na Sentinela de 15/6 daquele ano o tema foi tratado de uma forma muito direta por meio de dois artigos “Sujeição às Autoridades Superiores – Por quê?”  e “Os benefícios da submissão às autoridades”. Foi exatamente desta Sentinela que retirei o “exercício” que propus no início deste artigo, Sentinela que afirma:

 Portanto, as “autoridades superiores” situam-se logicamente no mundo, fora da congregação. Certamente, não podemos fechar os olhos ao fato de que há autoridades fora da congregação cristã.

Como algo ensinado logicamente pela Bíblia pode ter sido

 perdido de vista, graça a Jeová, exatamente após Ele

 ter purificação a Organização de ensinos falsos?

4 – Para encerrar, vejamos como o CG tenta explicar a sequência de luzes absurdas que JEOVÁ enviou sobre este tema:

SUJEIÇÃO ÀS “AUTORIDADES SUPERIORES”

12 A maneira de se chegar ao entendimento correto de Romanos 13:1-7 oferece mais outro exemplo de “navegar” em direção ao conceito correto.

Navegar em direção ao entendimento correto?

          Como alguém, que conhece o histórico de mudanças sobre este tema, se atreve a falar em “navegar para a verdade” quando sabe que o navio (desde a época dos Estudantes da Bíblia) já estava “ancorado na verdade”? “Navegar” para qualquer outro lugar é que significaria “navegar para o erro”!

É certo que vem desonestidade pela frente. Vejamos do que se trata.

Os primitivos Estudantes da Bíblia entendiam corretamente que as “potestades superiores” ou “autoridades superiores” eram os governantes deste mundo. (Veja a Versão Almeida, revista e corrigida, e a Tradução do Novo Mundo.)

          Então, todo o “problema” surge a partir de um entendimento bíblico – CORRETO – crer corretamente era o problema?!

Vamos ver como se tentará explicar que um “entendimento correto” poderia ser um problema, um erro:

À base desse entendimento [correto], chegaram [os Estudantes da Bíblia] à conclusão de que, se o cristão fosse convocado em tempo de guerra, ele teria de servir no exército, usar uniforme e ir à batalha. Mas, admitia-se que, quanto a realmente matar o próximo, o cristão atiraria para o ar em vez de matá-lo.

          O sujeito da frase ficou indeterminado, razão pela qual complementei a transcrição acima indicando que foram os “Estudantes da Bíblia” que, a partir do entendimento correto sobre Rm.13:1, concluíram que ir para o campo de batalha ainda estava nos limites da obediência devida às “autoridades superiores”.

          Como afirmei no início, a Bíblia não deixa dúvidas sobre o Princípio da Sujeição Relativa, o problema está na subjetividade dos limites de tal sujeição.

         Provando isso, as TJ de hoje entendem que receber treinamento e ir para o campo de batalha extrapola os limites da “sujeição relativa”, já os Estudantes da Bíblia entendiam que estas mesmas coisas não extrapolavam os limites da Sujeição Relativa (se, uma vez no campo de batalha, não matassem o inimigo, estariam obedecendo tanto a lei dos homens como a lei de Deus).

Se é assim, vejamos onde a Sentinela irá situar o problema.

13 Todavia, era bastante evidente que o apóstolo Paulo não podia estar advogando tal proceder.

          Se eu fosse uma TJ eu me sentiria bastante revoltado coma afirmação acima, sentiria que o CG crê que não tenho raciocínio ou que pode brincar com ele, pois, a afirmação é absurda!

             Em Rm. 13:1 a 7 não está em pauta (embora já haja ali a sugestão de que de autoridades humanas só ocupam posição relativas de poder) os limites da obediência que os cristãos devem as “autoridades superiores”, mas apenas que deve existir tal obediência, assim, o problema não está no correto entendimento que os “Estudantes da Bíblia” tinham sobre a identidade das “Autoridades Superiores”.

          Paulo, realmente, não estava advogando nada relacionado a ir ou não para o campo de batalha, esta questão não está em pauta em Rm. 13, então, onde está o problema? Vejamos:

Surgiu a questão: Referiam-se as “potestades superiores”, então, a Jeová Deus e a Jesus Cristo?

          Se para pessoas de uma religião, que sabem ler e interpretar, minimamente, o que a Bíblia LOGICAMENTE ensina em Rm.13:1, esta questão já não surgiria, o que dizer das pessoas que pertencem à única religião verdadeira que é, verdadeiramente, guiada por Jeová, que não estão mais sob influência da organização de Satanás e que já foram purificadas?

Estas, jamais trocariam a verdade

 pela mentira, não é mesmo?

Porém:

Por algum tempo, os do povo de Deus adotaram tal conceito.

          Como o escritor da Sentinela que estou analisando sabe que este conceito (de que as autoridades superiores não são os governos humanos) é um erro, ele vai evitar dizer foi o “Deus do Povo” quem lhes transmitiu este conceito, afirma que foi o “Povo de Deus” que tinha o conceito errado (conceito que Jeová tinha que corrigir, para depois “descorrigir”)!

Mas vamos colocar a culpa onde ela está,

conforme a lógica do CG!

          Se correta é a doutrina TJ sobre as “novas luzes”, TODAS ELAS têm origem em Jeová, assim, se um entendimento incorreto foi adotado no lugar de um correto, a culpa é de Jeová, foi Ele que, via Jesus, ensinou o erro (lembrando que isso se deu em época na qual o chamado “cativeiro babilônico”, a influência da Organização de Satanás já não servia mais de desculpa para o CG)!

         Agora notem a desonestidade total, quando o escritor desta Sentinela vai tentar convencer o leitor de que conhecer e defender, como verdade bíblica enviada por Jeová, o ERRO no lugar do que é correto, foi algo BOM!

 E, durante os anos dificultosos da Segunda Guerra Mundial, isto pelo menos os fortaleceu a ‘obedecer a Deus como governante antes que aos homens’, estabelecendo uma maravilhosa reputação de destemida neutralidade cristã em toda a terra. (Atos 5:28, 29)

Que lindo!

PELO MENOS, O ERRO, A MENTIRA ENSINADA POR JEOVÁ E JESUS, NO LUGAR DA VERDADE, PRODUZIU ALGO MARAVILHOSO!

Obs – É por isso que este Blog existe, tentar alertar as TJ

para a imunização cognitiva da qual são vítimas!

Na sequência a Sentinela apresenta um “momento de sanidade”:

Nunca houve qualquer dúvida de que os cristãos devem sua lealdade primária ao Soberano Senhor Jeová e ao seu Rei messiânico, Jesus Cristo.

É verdade! Os Estudantes da Bíblia, as TJ e todas as demais pessoas que buscam seguir os passos de Jesus, não têm dúvidas de que obedecer a Deus, antes de tudo e de todos, é a coisa correta a fazer e a forma de fazer isso nunca estará e negar que existam outras autoridades a quem também devemos obediência!

Continuando:

Mas, são estes ao mesmo tempo as “autoridades superiores” às quais precisamos ‘render imposto, tributo e honra’? — Romanos 13:7

Mas que pergunta é essa?!

         Conforme concluiu o texto da Sentinela citada no início, a resposta a esta pergunta é –  LÓGICA – (basta a mera leitura dos versos 1 a 7 de Rm. 13 para perceber que o texto está falando das autoridades humanas e não sobre Jeová e Jesus)!

         Se uma mera leitura da Bíblia já revela isso, como poderia errar e errar por tanto tempo, um grupo religioso que diz receber luzes diretamente de Jeová que vão REFINANDO o entendimento sobre a Bíblia?

         O que podemos esperar é a DESONESTIDADE TOTAL do CG ao tratar deste tema e é o que se vê na sequência do texto:

14 Felizmente, no ano de 1962, JEOVÁ LEVOU os do seu povo ao entendimento do princípio da sujeição relativa. Viu-se que os cristãos dedicados precisam obedecer aos governantes seculares como “autoridades superiores”, reconhecendo-os de bom grado como “ministro de Deus”, ou servo de Deus, para o próprio bem deles. (Romanos 13:4)

MENTIRA HEDIONDA!

        O que o trecho acima está afirmando é que, PELA PRIMEIRA VEZ, JEOVÁ (notem que agora se coloca Jeová como o condutor do ensino correto), apenas em 1962, conduziu seu povo ao princípio da Sujeição Relativa!

          Este óbvio, claro e gritante princípio bíblico já era conhecido dos Estudantes da Bíblia e para notar isso basta repetir (o trecho já citado neste artigo) do livro “O Plano Divino das Eras” escrito por Russell:

Por saberem que o Reino de Deus viria no futuro, nem Jesus nem os Apóstolos interferiram nos governos terrenos. Pelo contrário, eles instruíram a Igreja a se submeter a tais autoridades humanas, embora muitas vezes sofressem com seus abusos. Os seguidores de Jesus são ensinados a obedecerem às leis locais, DESDE QUE elas não entrem em conflito com as leis de Deus. (Atos 4:19; 5:29) Eles pagam seus impostos e são cumpridores da lei. (Mateus 22:21)

É inacreditável!

O “jeitinho” dado pelo mentiroso escritor desta Sentinela foi:

  1. Criar um problema que nunca existiu: Sugerir que os Estudantes da Bíblia erram por causa do correto entendimento que tinham sobre as Autoridades Superiores!
  2. Dizer que a forma de resolver o erro, a que o correto entendimento conduziu foi (contraindo o que a Bíblia ensina – logicamente): RETIRAR O CORRETO ENTENDIMENTO PARA SE ENSINAR, EM SEU LUGAR, UMA MENTIRA (e por mais que se evite afirmar, quem assim fez foi Jeová via Jesus)!
  3. Encontrar mérito e vantagem em substituir a verdade pela mentira!
  4. Finalmente (após cerca de 33 anos crendo no erro), ensinar que o correto, realmente, é entender as “autoridades superiores” como governantes humanos, porém, que lhes é devida apenas sujeição relativa (princípio que a “primeira luz”, que foi revogada pela “segunda luz” e foi reavivada pela “terceira luz”, na verdade, já continha)!

         Como entender que uma Organização Religiosa, que afirma que a única que entende a Bíblia pode, sob a direção de Jeová, cometer tais erros?

Que Organização é essa?

Que direção é essa?

Que Jeová é esse?

CONCLUSÃO: A forma com o CG lida com (mais) este “esqueleto no armário” é  DESONESTA, MENTIROSA E UMA VERDADEIRA AFRONTA A JEOVÁ e a JESUS QUE, ADMITAM AS TJ OU NÃO (SE CORRETA A DOUTRINA DAS “NOVAS LUZES”) OS COLOCAM COMO:

RESPONSÁVEIS POR

 TAIS ABSURDOS!

         Caro Leitor(a). Este texto não é uma ataque a você ou a sua fé em Jeová. Perceba que ao ser TJ e crer na doutrina das “novas luzes” você não tem opção – tem que aceitar que Jeová já ensinou o erro às TJ (inclusive depois de já ter ensinado a verdade) e que aquilo que você crê hoje é, na melhor das hipóteses, um conjunto de erros misturados com acertos, pois, qualquer ponto de fé que tenha hoje irá mudar se o CG, amanhã, disser que recebeu uma “nova luz” de Jeová, logo, você se quer sabe distinguir dentre tudo o que crê, o que é verdade definitiva e aquilo que pode deixar de ser verdade bíblica já a partir da próxima Sentinela que circular! Essa é a realidade constante das TJ e é por isso que declarações do CG como:

A religião verdadeira ensina a verdade da Palavra de Deus, a Bíblia. (João 4:24; 17:17) (Despertai 7/2014, p.15)

São a maior prova de que você não está na verdade,

até porque, a verdade não  é “onde” mas sim “quem”

JESUS!

—————

Concorda comigo? Discorda de mim? Tem alguma explicação alternativa que, racionalmente, justifique todos os absurdos vistos e comprovados acima, de tal forma a fazer crer que o CG é o que diz ser? O objetivo de todo artigo deste Blog é abrir diálogo entre os(as) leitores(as) e este Blogueiro e isso lhe é totalmente permitido, conforme se vê em I Ts. 5:21. Para tanto e/ou para colaborar comigo, apontando erro ou erros de escrita que exigem correção, deixe uma mensagem aqui no Blog ou escreva para 1tessalonicenses5.21@gmail.com. Desde já, agradeço

——————

Nota Legal – Os Artigos deste Blog estão protegidos pela Lei de Direitos Autorais. Reprodução integrais ou parciais são permitidas, desde que, citada a fonte e com inclusão de link que remeta diretamente para este artigo.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *