Como Jeová Guia Seu Povo Hoje? (Parte 2) ®

Como Jeová Guia Seu Povo Hoje? (Parte 2) ®

15 de julho de 2020 Perspectiva Bereana 0

Dando continuidade à 1ª parte deste artigo (no qual apenas analisei o nome que foi atribuído a ele) passo a analisar o texto do artigo em si e como o artigo da Sentinela é composto de 19 parágrafos, será necessário mais uma parte além desta.

            Como sempre faço neste Blog, tudo aquilo que não contestar de imediato, eu admito como sendo verdade a fim de analisar tal verdade ou “verdade” perante a Bíblia, em uma perspectiva bem Bereana (At. 17:11).

Obs – Um detalhe extra na “Perspectiva Bereana” que aqui será utilizada (e que não estava disponível aos Bereanos) é que a conferência das afirmações do artigo da Sentinela neste analisado, não será feita só na Bíblia, será feita também em outras “porções de alimento espiritual no tempo apropriado” que Jesus forneceu a seu “escravo” (notar o  pronome “sua” em Lc. 12:42,que identifica com sendo Jesus o proprietário do alimento que o escravo deve dar aos assistentes), pois, assim como Jeová proveu a Bíblia, Ele também é o responsável mais direto pelas “porções de alimento espiritual” extra Bíblia, que o CG fornece por meio de sua literatura, pelo menos, é isso o que o mesmo já garantiu várias vezes.

Notem, abaixo, um exemplo absurdo disto (se quiser perceber porque o chamo de – absurdo – leia a citação abaixo e logo depois – II Tm. 3:16):

18 Naturalmente, a leitura da Bíblia não deve substituir seu uso da excelente matéria de estudo providenciada por meio do “escravo fiel e discreto”Esta também faz parte das provisões de Jeová — uma provisão muito preciosa. (Mateus 24:45-47) S. 1/5/95, p.19

            Como se vê, Bíblia e “matéria de estudo do CG” são “provisões de Jeová” a ponto da Bíblia, sozinha, ser insuficiente!

Se Bíblia e “escritos do CG” são provisões de Jeová, então, assim como a Bíblia, os escritos do CG têm que refletir as características de Jeová, dentre os quais se destaca a ausência de qualquer falsidade, erro ou engano!

            Em reforço a isto, algo que não pode ser perdido de vista, como destaquei na primeira parte desta postagem, é que o título do artigo da Sentinela ora analisado (Como Jeová Alimenta seu Povo Hoje?) e o texto que segue abaixo dele, fazem referência a algo que:

JEOVÁ FAZ!

Se, realmente, é Ele quem faz, então, também veremos nisso a perfeição – como TUDO o que Ele faz.

Para deixar isso, “gritantemente” claro, vou aplicar um texto bíblico as obras de Jeová:

17 Do mesmo modo, toda árvore boa produz fruto excelente, mas toda árvore podre produz fruto imprestável; 18 a árvore boa não pode dar fruto imprestável, nem pode a árvore podre produzir fruto excelente. 19 Toda árvore que não produz fruto excelente é cortada e lançada no fogo. 20 Realmente, pois, pelos seus frutos reconhecereis. (Mt. 7)

            Cada obra, cada iniciativa de Jeová e cada provisão de Jeová pode ser considerada a “árvore” mencionada no texto acima.

Uma árvore frutífera, para dar bons frutos, precisa de algumas condições objetivas, dentre elas: estar plantada em solo adequado, na profundidade adequada, em clima adequado entre vários outros fatores (que por não ser biólogo nem sei descrever).

            Mas as “árvores” (obras) de Jeová, não dependem de tais fatores para dar os frutos que Jeová determinar, as condições objetivas podem ser todas desfavoráveis e, ainda assim, haverá frutos não apenas bons, mas, perfeitos!

            Prova irrefutável disso está no fato de Deus usar seres humanos para cumprir seus propósitos.

Nenhum ser humano (em especial os homens que forma o CG) apresentam todas as “condições objetivas” necessárias para que a obra de Jeová produza os frutos que Jeová deseja, não obstante, se Jeová realmente usar seres humanos para fazer sua obra, podemos estar certos que:

 …por todos os seus  frutos, reconheceremos que é obra de Jeová!

– Apenas para citar 2 exemplos bem extremados de como o ser humano é incapaz de produzir algo espiritualmente saudável, lembro:

– Do Rei Davi, o “homem segundo o coração de Deus (ISm.13:14) em cujo coração nasceu a vontade de ficar com a esposa de um outro homem e, por isso, o enviou para morrer na guerra!

– e do “mais volumoso” escritor do Novo Testamento” que, em suas próprias palavras era – “o maior dos pecadores” (ITm.1:5)

Não obstante, Deus os usou e, naquilo que os usou, eles foram perfeitos em fazer e produzir  a obra de jeová!

Assim, lembrado que a falibilidade humana nunca será desculpa para comprometer a obra e a vontade de Jeová, dou continuidade à 1ª parte deste artigo:

2 – Texto do Artigo (§§ 1º a 11): As transcrições estarão em azul e grifos serão acrescidos:

“Lembrem-se dos que exercem liderança entre vocês.” — HEB. 13:7.

CÂNTICOS: 125, 43 [os títulos dos Cânticos são: “Sujeição Leal à Ordem Teocrática” e “Sempre fortes, firmes de despertos”]

CONSEGUE EXPLICAR?

Assim como nos dias dos apóstolos, como os que tomam a liderança entre o povo de Deus hoje . . .

mostram que têm espírito santo?

recebem a ajuda de anjos?

são guiados pela Palavra de Deus?

Esta introdução já me faz presumir que as perguntas acima (não menos retóricas que o título do artigo) são todas afirmativas e já induzem à seguinte “realidade”:

Assim como ocorria nos dias dos

Apóstolos ocorre “hoje”.

Logo, ocorre com os homens do CG o que ocorria com os Apóstolos, isso é:

– Mostram que têm o Espírito Santo (e por isso tomam decisões corretas)

– Recebem ajuda de anjos e

– São guiados pela palavra de Deus.

            Imagino que uma TJ, ao ler o “rol de certezas” acima, sente que pode ter plena confiança em sua “liderança terrena”, pois, se são guiados pelo Espírito de Jeová, recebem ajuda de anjos e, ainda, são guiados pela Bíblia (tudo igual ao que ocorria nos dias dos apóstolos) a única diferença entre eles e o povo de Jeová do 1º século, é que não estão no 1º século!

 OS APÓSTOLOS estavam no monte das Oliveiras olhando para o céu. Eles tinham acabado de ver Jesus, seu senhor e amigo, subir para o céu e desaparecer nas nuvens. (Atos 1:9, 10) Jesus tinha ensinado, encorajado e guiado os apóstolos por cerca de dois anos. Mas agora ele tinha ido embora. O que eles iam fazer?

O que eles iriam fazer é aquilo que Jesus determinou (que será indicado no início do próximo parágrafo)

2Jesus tinha dado a seus seguidores uma tarefa muito importante: “[Vocês] serão minhas testemunhas em Jerusalém, em toda a Judeia e Samaria, e até a parte mais distante da terra.” (Atos 1:8) Como eles iam conseguir fazer isso?

As “Testemunhas de Jesus” teriam, apenas que fazer o que ele mandou fazer a fim de (não eles, propriamente dito, mas sim, a missão que receberam) atingir “a parte mais distante da terra”, assim, eles “fariam isso” apenas por “fazer isso”.

Obs – Jesus não poderia estar se referindo a eles, enquanto pessoas, pois, se assim fosse, a missão dada faleceria junto com o último deles, antes do final do primeiro século (e se tal missão chegou aos dias atuais é porque ela, certamente, não morreu) – é exatamente isso o que revela At. 2:42 que será citado mais abaixo.

 É verdade que Jesus tinha prometido que logo eles receberiam espírito santo. (Atos 1:5) Mas como eles iam organizar e liderar essa pregação na Terra inteira?

A resposta está no já citado e transcrito verso 8 deste mesmo capítulo 1:

8Mas, quando o espírito santo vier sobre vocês, receberão poder e serão minhas testemunhas em Jerusalém, em toda a Judeia e Samaria, e até a parte mais distante da terra.”

Obviamente ao ser referir ao “poder” que o Espírito Santo lhes daria, já está englobado o “como eles iam iniciar, organizar e liderar essa pregação na Terra inteira”

Os apóstolos sabiam que, no passado, Jeová tinha usado representantes humanos para liderar seu povo. Assim, eles talvez tenham pensado: ‘Será que Jeová vai escolher um novo líder?

Acho bem improvável que os Apóstolos tiveram essa dúvida (e quando leio o próximo parágrafo, isso se torna ainda mais evidente).

3Menos de duas semanas depois, os discípulos de Jesus estudaram as Escrituras, oraram pedindo a ajuda de Deus e escolheram Matias para ficar no lugar de Judas Iscariotes como apóstolo. (Atos 1:15-26) Por que fizeram isso? Do seu estudo, os discípulos tinham entendido que para Jeová era necessário haver 12 apóstolos. Jesus não tinha escolhido os apóstolos só para pregarem junto com ele. Na verdade, ele queria que eles realizassem um trabalho importante entre o povo de Deus. Que trabalho era esse? E como Jeová e Jesus prepararam os apóstolos para realizar esse trabalho? Quem Jeová usa para fazer esse trabalho hoje? E como podemos ‘nos lembrar dos que exercem liderança’ entre nós, especialmente do “escravo fiel e prudente”? — Heb. 13:7; Mat. 24:45.

Realmente não tenho qualquer razão para pensar que os apóstolos estavam preocupados ou até mesmo se chegaram a pensar se Jeová iria escolher (apenas) um novo líder ou não.

O trecho acima têm 3 perguntas, sendo que a última necessita daquele que deve ser “especialmente” lembrado – o CG (pelo menos é nisso que as TJ acreditam).

REPRESENTANTES NA TERRA COM UM LÍDER NO CÉU

4 Os apóstolos começaram a exercer a liderança na congregação cristã na festividade de Pentecostes do ano 33. Nessa ocasião, “Pedro se pôs de pé com os Onze” e ensinou muitas verdades para uma grande multidão de pessoas. (Atos 2:14, 15) Por causa disso, muitos se tornaram cristãos. E esses novos cristãos continuaram a se dedicar “aos ensinamentos dos apóstolos”. (Atos 2:42)

Como se vê, para que a missão dada por Jesus fosse cumprida e atingisse “toda a terra habitada”, bastava fazer aquilo que ele ordenou.

 Como os apóstolos exerciam a liderança na congregação? Os apóstolos cuidavam dos donativos feitos pelos irmãos. (Atos 4:34, 35) Eles também cuidavam da espiritualidade do povo de Deus, se dedicando “à oração e ao ministério da palavra”. (Atos 6:4) E eles designavam cristãos experientes para pregar em novos territórios. (Atos 8:14, 15) Com o tempo, outros anciãos ungidos se juntaram aos apóstolos na tarefa de tomar a liderança. Esse grupo de irmãos dava orientações às congregações e formava um corpo governante. — Atos 15:2.

5 Os cristãos no tempo dos apóstolos sabiam que Jeová guiava o corpo governante por meio de Jesus. Por que tinham certeza disso?

Aqui está um ponto muito importante: Crer que Jeová guia os líderes a quem nos submetemos, nada garante.

O que garante (tanto a nós quanto aos líderes) é se eles, efetivamente, forem liderados por Jeová.

Os Fariseus são um exemplo bem claro de que crer em líderes que, na verdade, não são liderados por Jeová, só deixa um destino para líderes e liderados – um buraco (Mt.15:14)!

Vejamos os três motivos que podem trazer segurança da liderança de Jeová, por intermédio de Jesus.

Vamos ver três motivos. Primeiro, o corpo governante tinha espírito santo. (João 16:13) Todos os ungidos tinham recebido espírito santo, mas o espírito dava uma ajuda a mais aos apóstolos e outros anciãos em Jerusalém. Dessa forma, eles podiam realizar o seu trabalho de liderar a congregação. Por exemplo, no ano 49, o espírito santo orientou o corpo governante a tomar uma decisão sobre a circuncisão. As congregações obedeceram a essa orientação e, por isso, foram “fortalecidas na fé e cresciam a cada dia”. (Atos 16:4, 5) Quando lemos a carta que o corpo governante enviou às congregações sobre essa decisão, vemos que eles demonstravam as qualidades do espírito de Deus, como a fé e o amor. — Atos 15:11, 25-29; Gál. 5:22, 23.

O CG, ao escrever este artigo, está buscando estabelecer paralelos entre o que ocorria no 1º século e aquilo que ocorre “hoje” a fim de demonstrar que a situação é a mesma e, se assim for, então, o que ocorria no 1º século, tem que continuar ocorrendo hoje e gerando os mesmos efeitos.

            – Embora o Espírito Santo ajudasse a todos que o tinham, para alguns a ajuda era especial (que é o que o CG afirma que ocorre hoje em relação ao si e aos demais ungidos).

            – A decisão que o CG tomou e informou (sobre a circuncisão) foi, na verdade “orientações do Espírito Santo”, logo, as decisões e informações que o CG dá hoje também são (e tem que ser) “orientações do Espírito Santo”.

6Segundo, eles receberam a ajuda de anjos. Veja um exemplo. Cornélio era um homem que queria servir a Deus, mas era gentio, ou seja, ele não era judeu. Um anjo disse para ele chamar o apóstolo Pedro. Nem Cornélio nem os outros homens ali eram circuncidados. Mesmo assim, depois que Pedro pregou para Cornélio e seus familiares, eles receberam espírito santo. Isso ajudou os apóstolos e os irmãos a entender que Jeová queria que eles aceitassem os gentios incircuncisos na congregação. Cornélio foi o primeiro gentio incircunciso a ser batizado. (Atos 11:13-18) Os anjos apoiavam a pregação e ajudavam a obra a crescer. (Atos 5:19, 20)

Então, os anjos de Jeová permanecem atuando hoje, afinal, se é por intermédio do Espírito de Jeová que procedem as decisões, os ensinos, as orientações, não há porque os anjos de Jeová deixarem de dar suporte a esta obra.

Terceiro, o corpo governante era guiado pela Palavra de Deus. Eles usavam as Escrituras para liderar a congregação. E, quando surgiam dúvidas sobre certos ensinos, eles procuravam a orientação das Escrituras para saber o que fazer. — Atos 1:20-22; 15:15-20.

Além da guia do Espírito de Jeová os CGs (da era Apostólica e atual) ainda contam com as orientações da Bíblia, assim, Jeová provia e continua provendo o CG com:

– o “material de estudo” (a Bíblia),

– o professor (o Espírito) e

– monitores (os anjos)!

Se nada mudou, não há como ter dúvidas: aquilo que ocorria no 1º século ocorre hoje, a  segurança que o povo de Jeová tinha naquela época em sua liderança é a mesma que se pode ter hoje, afinal, do primeiro século para cá o que mudou foram apenas as pessoas que constituem a liderança terrena do povo de Jeová, tudo o mais permanece exatamente como antes (é exatamente isso que o CG quer que o leitor deste artigo conclua).

7 O corpo governante tinha autoridade na congregação. Mas eles sabiam que seu Líder era Jesus. Por que podemos dizer isso? O apóstolo Paulo disse que foi Cristo quem designou “alguns como apóstolos”. Ele disse também que Cristo era o “cabeça”, ou Líder, da congregação. (Efé. 4:11, 15) E, em vez de serem conhecidos como seguidores de algum apóstolo, “por direção divina, foram chamados de cristãos”, deixando claro que eram seguidores de Cristo. (Atos 11:26) Paulo sabia que era importante ‘se apegar às tradições’, ou seja, às coisas que os apóstolos e outros irmãos da liderança ensinavam com base na Bíblia. Mas ele disse: “Quero que saibam que o cabeça de todo homem [incluindo todos os membros do corpo governante] é o Cristo; . . . e o cabeça do Cristo é Deus.” (1 Cor. 11:2, 3) O Líder da congregação não era nenhum homem na Terra, mas Jesus no céu, escolhido por Jeová.

Então, realmente, os apóstolos não tinham porque esperar que Jeová fosse eleger um novo líder, pois ele já estava eleito e, não obstante não estar mais na terra, é na terra que este líder (Jesus) dirige a obra, usando, como afirmam as TJ, a força ativa de Deus, a Bíblia e os anjos – logo, nada mudou do 1º século para “hoje”!

O desrespeito a qualquer dos elementos desta cadeia de comando, no fundo, é um desrespeito a Jeová, então:

– questionar ensinos desta organização hierárquica, é questionar ensinos de Jeová!

– questionar orientações esta organização hierárquica, é questionar orientações de Jeová!

– questionar as designações que dela emanam significa não querer laborar para Jeová onde Ele deseja que se labore!

Eu me submeteria a toda esta cadeia de comando com toda a alegria e disposição mas, isso, somente se estivesse convencido e cada vez mais convicto de que estar sob o comando do CG é o mesmo que estar sob o comando e as designações dos Apóstolos de Cristo e, portanto, de Cristo e, portanto, do próprio Jeová!

O subtítulo usado na sequência deste artigo visa, exatamente, dar esta certeza, ao afirmar que:

“ESSA NÃO É UMA OBRA DE HOMENS

Porém, na sequência o que vamos ver é que esta obra é muito de homens, homens muito falhos que contaminaram, comprometeram e desvirtuaram a obra com suas falhas – o que indica que:

ou Jeová perdeu sua capacidade de controlar as coisas para que tudo saia como Ele quer ou Ele nada tem a ver com o CG atual!

Mas, antes de tratar das possibilidades acima, há um outro “detalhe” a tratar:

8A partir de 1870, Russell e alguns outros começaram a fazer um estudo profundo da Bíblia e se esforçaram para restabelecer o verdadeiro cristianismo.

Ops! Notaram um imenso problema aqui?

O escritor do artigo deu um “salto” muito grande no tempo (mais de 18 séculos) para continuar narrando o que se iniciou no 1º século e o pior, tal salto se deu porque era necessário – restabelecer o verdadeiro cristianismo!?

Ora?

– Mas e toda a sistemática estabelecida por Jeová, desde o primeiro século, para trazer ensino e orientação para seu povo?

– Será que toda a estrutura montada por Jeová fracassou por séculos seguidos?

– A cadeia de comando, criada e liderada por Jeová, tão ativa e produtiva no primeiro século, se tornou tão ineficiente que o verdadeiro cristianismo se perdeu, a ponto de precisar se restabelecido?

– É isso que este “salto na história” indica mas

– é nisso que devemos acreditar?

Afinal:

A Bíblia?

– Ela deixou de ser a palavra de Deus?

– Ela deixou de ser mais afiada que uma espada de dois gumes (Hb. 4:12)?

– Enquanto palavra de Deus ela perdeu a capacidade de manter o homem “completamente equipado” (II Tm. 3:16)?

– Ela passou a “voltar para Deus, vazia” (Is. 55:11)?

– Se apagou enquanto “lâmpada para os pés e luz para o caminho” (Sl. 118:105)?

E Jesus?

– Ele não prometeu estar presente com os apóstolos todos os dias em sua obra (Mt. 28:19-20)?

– Devemos crer que Jesus ficou séculos sem aparecer?

– Por séculos a afirmação de que onde estivessem reunidos 2 ou 3 em seu nome ele ali estaria (Mt. 18:20) foi uma mentira?

– As portas do hades prevaleceram, por mais de 18 séculos, contra a congregação (Mt. 16:18)?

E os anjos?

Ficaram sem sua importante função por todo este tempo?

Há alguma coisa de muito errado nisso tudo e estou certo que se tudo o que descrevi acima foi verdade por 18 séculos, então:

aquela obra, iniciada  no primeiro século, era de homens

sim, pois, se fosse de Jeová, não fracassaria em momento algum!

ou

A obra do CG das TJ é sim de homens e, portanto,

 não é a continuidade do CG do 1º século!

Este “salto na história” responde, ou pelo menos começa a responder, o que é o “hoje” usado no título do artigo, “hoje” se refere a data igual ou posterior a 1870, portanto, o “hoje” perdura por (apenas) 150 anos (se agregarmos a este número todo o primeiro século teremos, 250 anos no qual a organização de Jeová funcionou contra 1869 anos no qual ela fracassou!

Vou continuar a análise do texto para ver se algum detalhe sobre tanto fracasso nos planos de Jeová será em algum momento justificado, mas, aqui, tenho duas perguntas a fazer para os(as) leitores TJ deste artigo:

1 – Quando você estudou este artigo no SR,

você não se apercebeu de nada disso?

Figurativamente:

2 – Você é da congregação de Tessalônica ou Bereia?

Eles queriam ensinar a verdade da Bíblia em vários idiomas. Para ajudar a obra a crescer, em 1884 eles registraram legalmente a Sociedade de Tratados da Torre de Vigia de Sião (dos EUA), e o irmão Russell era o presidente. Ele estudava muito a Bíblia e não teve medo de mostrar que ensinos como a Trindade e a imortalidade da alma não eram bíblicos. Além disso, ele entendeu que a volta de Cristo seria invisível e que “os tempos determinados das nações” terminariam em 1914. (Luc. 21:24) O irmão Russell não poupou tempo, dinheiro e esforços para ensinar aS verdadeS da Bíblia a outros. Não temos dúvida de que o irmão Russell estava sendo usado por Jeová e Jesus para exercer a liderança naquela época tão importante.

O trecho acima lista algumas doutrinas que Russell entendia como erradas e combatia (como fazem hoje as TJ) e com base nelas se generaliza (um membro da congregação de Bereia jamais deixaria esta estratégia passar despercebida) para afirmar que Russell não poupava esforços para “ensinar aS verdadeS da bíblia” – sendo tal generalização uma completa  mentira!

Vou comprar isso com o seguinte fato:         

– Se Russell foi “usado por Jeová e por Jesus para exercer liderança” sobre o povo de Jeová, então, ele contava com a orientação da “força atividade de Jeová” com “a Bíblia” e com os anjos, e se assim era, a exemplo do que ocorria no primeiro século, todas as decisões sobre o que crer e não crer, eram, na verdade, guiadas por Jeová.

            – Mas se era realmente assim, porque as TJ não estudam mais hoje as “verdades” contidas nos “Estudos das Escrituras”, a mais famosa série de livros escritos por Russell?

Toda as “verdades” presentes em tal série de livros escrita por Russell foram “alimento no tempo apropriado”, porém, como não há “tempo apropriado” para se crer em mentiras bíblicas, então, todas aquelas verdades, a que Russell chegou por intermédio da guia de Jeová, permanecem verdades (ou não?).

Mas, é fato!

Nenhuma TJ hoje estuda os “Estudo das Escrituras”, não obstante, o CG continue incluindo em Sentinelas atuais, afirmações antigas de que aqueles livros contêm verdades bíblicas. Segue uma amostra:

– Os Estudantes da Bíblia, como eram chamadas as Testemunhas de Jeová, viram a necessidade de falar das preciosas verdades que aprenderam do estudo diligente das Escrituras. Muitos adquiriram conhecimento bíblico por meio da série de livros Millennial Dawn (Aurora do Milênio, mais tarde também chamada de Studies in the Scriptures [Estudos das Escrituras]). S. 15/2/2012, p. 31

– Depois de consultar papai, que estava no celeiro, mamãe encomendou os seis volumes de Studies in the Scriptures (Estudos das Escrituras). Ela praticamente os devorou e ficou muito comovida pelas verdades bíblicas que aprendeu. (S.1/3/2000, p.20)

– Em 1911, uma outra língua passou a ser falada e disseminada ali. Visitantes introduziram exemplares da obra Studies in the Scriptures (Estudos das Escrituras), e desde então as Testemunhas de Jeová têm sido diligentes em divulgar a “língua pura” da verdade bíblica em Zâmbia. (Sofonias 3:9) S.15/3/1995, p.8

            As TJ que estão lendo este artigo e que nem sabiam da existência de tal série de livros, não precisam ficar na dúvida, podem estar certas que tais livros não são mais estudados pois, a maior parte de todos eles ensinam coisas que as TJ de hoje consideram verdadeiras heresias (e heresia é algo “leve” quando comparado ao exemplo que segue)! 

            Retorno a um exemplo já constante deste Blog: Um dos livros dos “Estudo das Escrituras” era “O Plano Divino das Eras, conforme Revelado pela Grande Pirâmide”, no qual se ensina que a pirâmide de Gizé (no Egito) é a “testemunha pétrea de Jeová”, mencionado em Is.19:19-20 e que algumas das medidas internas desta pirâmide revelavam períodos bíblicos, incluindo a data de 1914 (aliás a primeira “testemunha de Jeová” na história da STV foi esta pirâmide egípcia!).

Ocorre que, na época de Rutherford (2º presidente da STV), a pirâmide passou a ser chamada de “Bíblia de Satanás” (conforme lemos na Sentinela de 15/11/1928, p. 344, §37. Dúvidas, além de clicar no link acima, leia na página 201 do Livro Proclamadores, uma referencia à pirâmide e a Sentinela (em inglês) acima citada.  

            Então, foi esse o homem que Jeová colocou na liderança, alguém que ensinava verdades, misturadas a muitas mentiras (inclusive retiradas da “bíblia de Satanás”) sendo que os “estudantes da bíblia”, que não tinham como distinguir as mentiras das verdades, ensinavam tudo o que Russell defendia em seus livros como sendo verdades bíblicas, trazidas por aquele que, por permissão de Jeová, exercia a liderança da organização terrestre de Deus na época, instrumento de Jeová para restabelecer o verdadeiro cristianismo, cuja sistemática (criada por Jeová) no 1º século, estranhamente, não foi capaz de manter!

Você acredita nisso?

9 O irmão Russell não queria chamar a atenção para si mesmo. Em 1896, ele escreveu: “Não queremos homenagem, nem reverência, para nós mesmos ou para nossos escritos; não desejamos ser chamados de Reverendo ou Rabino. Nem desejamos que algum grupo seja chamado pelo nosso nome.” Mais tarde, ele disse: “Essa não é uma obra de homens.”

Se você acredita que a obra (iniciada por Russell) não é de homens então, certamente, você a atribuirá a Jeová e este é um grande problema, pois, se a obra iniciada por Russell é de Jeová então, toda ela é de Jeová (todos os ensinos eram de Jeová e não só aqueles com os quais as TJ concordam hoje. Todos os ensinos tinham como fonte mais original, o próprio Jeová, afinal, a obra (re)iniciada por Russell não era de homens, logo, o ensino sobre a pirâmide era – de Jeová (não obstante Este já saber que que, no distante ano de 1928 iria, finalmente,  informar às TJ que crer na pirâmide era se alimentar da Bíblia de Satanás)!?

            O texto segue narrando a história das TJ e irá sugerir o que ocorreu entre o 1º século e 1919. Vejamos as surpresas que a continuidade do texto analisado nos reservam:

10 Em 1919, três anos depois da morte do irmão Russell, Jesus designou o “escravo fiel e prudente”. Com que objetivo? Para dar aos seus seguidores “alimento no tempo apropriado”. (Mat. 24:45).

Este trecho sugere que não houve “escravo fiel e prudente” (leia-se CG) entre o fim do primeiro século e 1919, pois, somente neste ano, Jesus veio a designar um “canal de comunicação” na terra, no objetivo de que o povo de Jeová tivesse “alimento no tempo apropriado”!

O plano de Jeová (de levar o evangelho a toda a terra – Mc. 16:15) ficou paralisado entre o fim do 1º século e 1919, Jesus, realmente, mentiu ao afirmar que estaria presente todos os dias, o evangelho, a partir do 1º século, foi um grande fracasso e como viveram muito mais pessoas entre o fim do primeiro século e 1919, do que daí em diante, Jeová (o Deus amor, que mandou seu único filho para morrer pela humanidade Jo.3:16) deixou a imensa maioria dos humanos que já viveram no planeta, sem “alimento no tempo apropriado”, ou seja, espiritualmente, Jeová condenou a maior parte do humanos que já viveram neste planeta a “morrerem de inanição espiritual” por ausência de alimento espiritual!

Se você já havia estudado este artigo da Sentinela e não percebeu nada destas coisas, é bem conveniente que você o esteja estudando novamente e que passe a prestar muito mais atenção enquanto estudar futuras literaturas do CG!

Já naquele tempo, um pequeno grupo de irmãos ungidos na sede mundial em Brooklyn, Nova York, preparava e distribuía alimento espiritual para os seguidores de JesusA expressão “corpo governante” começou a aparecer nas nossas publicações nos anos 40.

O alimento que o CG distribui, não é, nunca foi e nem pode ser uma produção do “escravo”, ele não PREPARA alimento algum, sua função é meramente de distribuição (como vimos no início, os escritos do CG são – PROVISÕES DE JEOVÁ).

Ainda no trecho acima (no segundo sublinhado que acresci) há mais um detalhe interessante: Jesus teria designado seu “escravo” em 1919 mas, o escravo só foi começar a se aperceber disso na década de 40 do século passado e, mesmo assim, vamos ver no próximo trecho, as TJ não sabiam, exatamente quem compunha o escravo!

Tal realidade é muito estranha, afinal, o texto bíblico afirma que o escravo (que tinha como uma de suas principais características, ser vigilante) ficaria (imediatamente) feliz com o retorno do amo, pois, como foi encontrado fazendo o que deveria estar fazendo, foi “designado sobre todos os bens do amo” (é difícil imaginar que um grupo de homens, alvo de tal imenso privilégio, iria levar cerca de 20 anos para perceber que assim ocorreu e, mesmo assim, sem saber, exatamente, quem dentre eles compunham o “escravo”)!

Notem:

Naquela época, muitos entendiam que essa expressão se referia aos diretores da Sociedade Torre de Vigia. Mas em 1971 foi explicado que havia uma diferença entre o Corpo Governante e a Sociedade Torre de Vigia.

Havia uma certa discórdia interna para se definir quem seria o ‘escravo´: uns achavam que este seria os diretores da sociedade jurídica, outros achavam que era o CG, mas então, em 1971 (mais de 50 anos depois de já estar “designado sobre todos os bens do amo”) o “vigilante” e indeterminado escravo foi, finalmente, definido e revelado às TJ!? Notem:

 A diferença era que a Sociedade cuidava de assuntos jurídicos, não de assuntos espirituais. Dali em diante, irmãos ungidos podiam fazer parte do Corpo Governante sem serem diretores da Sociedade. Mais recentemente, irmãos experientes das “outras ovelhas” têm sido diretores da Sociedade e de outras entidades jurídicas usadas pelo povo de Deus. Assim, o Corpo Governante pode se concentrar em fornecer alimento espiritual e em liderar a congregação. (João 10:16; Atos 6:4) A Sentinela de 15 de julho de 2013 explicou que o “escravo fiel e prudente” são os ungidos que fazem parte do Corpo Governante.

Finalmente resolvida a questão sobre quem é o “escravo” dentre as TJ, vejamos mais sobre a atuação deste:

11 O Corpo Governante toma decisões importantes como grupo quando se reúne uma vez por semana. Essas reuniões os ajudam a ter uma boa comunicação e a se manterem unidos. (Pro. 20:18) Nenhum membro do Corpo Governante é mais importante do que outro. Por isso, a cada ano um membro diferente é o presidente nessas reuniões. (1 Ped. 5:1) O mesmo acontece em cada uma das seis comissões do Corpo Governante. Nenhum membro do Corpo Governante acha que é líder dos seus irmãos. Pelo contrário, eles se lembram que são um dos “domésticos”, que recebem o alimento espiritual fornecido pelo escravo e seguem as orientações dele.

Então o CG se reúne uma vez por semana, tem uma presidência rotativa entre seus membros e ninguém se sente superior aos demais, pois, são ao mesmo tempo, parte do CG – que distribui alimento (provido por Jeová e recebido de Jesus) aos domésticos – e são alimentados por este mesmo alimento.

Devido a esta postagem já estar imensa, vou concluí-la, deixando o restante da análise para a próxima parte.

Conclusão – Apenas como base no que já foi visto até agora, a partir de todo o contexto provido nesta e na parte anterior desta postagem (contexto que o escritor do artigo ora analisado conhece muito bem) fica muito difícil de imaginar que argumentação ainda poderá ser utilizada a fim de comprovar que Jeová dirige seu povo hoje por intermédio do CG das TJ, como fazia no 1º século.

            O fracasso de mais de 18 séculos nos planos de Jeová (sempre lembrando que o artigo da Sentinela que precede a este afirma que Jeová SEMPRE guiou seu povo), o abandono de grandes porções de PROVISÕES DE JEOVÁ (porções que era chamadas e pregadas como “verdades bíblicas”), traz muitas dúvidas e uma possibilidade cada vez menor de uma pessoa, que tem a mentalidade de “membro da congregação de Bereia”, considerar que o CG das TJ é o que diz ser.

Na próxima (e última) parte veremos como o escritor do artigo analisado, não obstante todas as barreiras que já percebemos existir até agora, tentará convencer que Jeová alimenta seu povo “hoje”, por intermédio do CG das TJ.

—————————–

Você concorda com as conclusões que expus com base no título do artigo? Você concorda apenas em parte? Você tem outros argumentos que apoiem minhas conclusões? Você tem argumentos que desacreditem o que escrevi? Você encontrou algum erro de escrita que exige correção. Escreva para mim, deixando mensagem no blog ou por e-mail (1tessalonicenses5:21@gmail.com). Desde já, agradeço.

Nota Legal – Os Artigos deste Blog estão protegidos pela Lei de Direitos Autorais. A reprodução de partes dos artigos é permitida desde que, citada a fonte e com indicação do link do artigo de onde foi retirada citação.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *